quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Eu tive um celular...



Não foi meu primeiro celular. Mas definitivamente foi o que eu mais gostei.

Ele tinha diversas características muito interessantes. No momento final da compra, não foi o top de linha, havia outras ofertas melhores. Porém rolou uma identificação, uma química. Ou eu achei mais fácil comprar aquele. Vai saber.

Fato é que foi uma compra por impulso. Todas essas compras por impulso nos levam a buscar motivos e justificativas para nos amarmos o produto. Esse não foi difícil. Era um celular fantástico. Tinha várias limitações na época, mas nada que realmente me afetasse ou eu não estivesse disposto a relevar ou agüentar.

Ele podia não saber fazer algumas coisas, como touch ou essas novas tecnologias de conexão 3G, mas era gostoso para conversar, mandar mensagem SMS e também era bonito para fotos.

E o tempo foi passando. A cada dia eu me afeiçoava mais ao celular. Ele era discreto, muito elegante. Pequenininho, do tamanho ideal. As funcionalidades dele eram muito fodas. Musica era com ele mesmo. E ainda ganhei acessórios massa, como fone e falantinho, que me possibilitava me divertir com som no carro sem rádio.

Eu andava para todo lugar com ele, e embora não fizesse nada de radical, cuidava dele com todo o cuidado.

Chegou ao ponto que eu me imaginava mais sem o celular. E não queria mais trocar. Embora sempre me impressionasse com os outros modelos, nunca foi o suficiente para me fazer sequer PENSAR em trocar. Era SMS toda a manha, cuidado com todo carinho e dedicação que eu poderia ter.

Mas, a vida vai levando a gente a lugares inusitados. E foi la que eu fui parar com meu celular. Em um lugar novo, uma festa. Uma micareta.
Foi uma novidade vivenciar essa experiência, então deixei o celular numa boa. Não fiquei segurando, mas não deixei largado por ai.

Mas eis que do nada, sem eu perceber, alguém havia levado ele de mim.
Percebi que havia perdido ele no meio da festa. Devia estar na mão um malandro qualquer, e eu fiquei la, parado no meio da muvuca, perdido, pensando no que fazer.

Como não tinha mais jeito, resolvi aproveitar um pouco da festa. Mas ficava pensando na perda, o que não deixou aproveitar a vida. E cada situação a qual eu passava que seria massa ter o celular, ele não estava lá.

Peguei alguns outros pra tapar o buraco. Um meu bem velho, e outros por ai...mas sempre faltava aquele tchans que o celular perdido causou.

Tive vários transtornos com a falta de celular. Pode ter sido um pouco libertador, mas ainda assim, eu era feliz com ele. Então não quis mais falar com ninguém por um tempo. E assim foi por um bom tempo.

Quem me conhecia me contatava por outros meios. Mas o celular foi uma perda chocante. E até não dar mais, eu fiquei sem um.

Chegou um momento que eu comprei outro. Oportunidades foram perdidas por causa dele, então, corri atrás de um.

Mas olha só como é a vida. A primeira coisa que eu procurei como critério, foi um que não me desse transtornos se eu o perdesse em qualquer lugar. Ou seja, a perda do celular ainda afetou a minha decisão. Um novo foi útil, aliviou o stress, mas não era a mesma coisa.

Agora estou aqui, com um celular muito útil, porem, obviamente, não é o que eu quero. Como pessoa teimosa, quero aquele ultimo, o que era meu. E ainda melhor é que ele saiu de linha. Não se encontra ele em qualquer lugar. Eita vidinha...

Ainda lembro desse celular. Quando quero tirar uma foto, ou ouvir um mp3. Quando quero um numero antigo perdido naquela agenda, ou um despertador que me conforte de manhã. Lembro principalmente pela capinha que ganhei com ele, da coca cola. (Ela me inspirou a fazer esse post, na verdade. Preciso bolar um uso pra ela).

E ele la, deve estar passeando na mão de um filho da puta, ou o marginal que afanou deve estar se aproveitando dele. Tomara que tenha queimado.

Para mim, agora este número encontra-se desligado, ou fora da área de cobertura. Torço para achar um melhor. Mas não vou me apressar em procurar. Lança um novo a cada mês.


Bom, thats all folks

7 comentários:

Adriana disse...

Oooooownnnnnn... Tadinho de você!!!

Mas pensa assim, talvez o cara que roubou ele de vc tenha vendido ele pra uma pessoa MUUUUITO legal e essa pessoa esteja cuidando direitinho dele!! =D

=*

Agnes disse...

Duvido que com um iPhone 4 esse apego não passa... Nerd típico querido! =*

NonsenseTele disse...

Bom, o apego é foda... Mas sei que vai descobrir que ele não lhe servia com a mesma devoção que você lhe dava e quando enxergar isso e começar a testar outros, sem você perceber, ele estará sendo esquecidos aos poucos... E há de se conseguir um celular de gente grande! Por que aquele se confundia em ser um celular modelo chinês, que serve de forma meia-boca pra quem não procura mta coisa, apesar de ser simpático e no fundo talvez não ser tão frágil quanto se mostrou...

Eu recomendo algum modelo Suiço ou Alemão!

ZuZuBela - JuLiAnA Krähembühl WOLF disse...

ok... primeiro... esse post já esta desatualizado... vc comprou o msm celular no mercado livre, provavelmente de um malandro q roubou de outro cara... até pode ser coincidencia e o cara simplismente te revendeu..
segundo... cuidar com cuidado? kkkkk
terceiro... só virjão pra levar celular em micareta.. vc até blz, nunca tinha ido, mas anta foi seu irmão e o vaca, q já tão na milésima micareta e foram roubados tbm!
e acho q é só... o meu da santa efigênia Vaic, ainda é melhor! hauahuahau
e veio... arranja uma mulher... ahuahuahauhau

Defread disse...

Sick! But true...

Cacau Braga disse...

Muito bom! Quando o cheiro do "cabelo" do celular começa a sumir e você não se lembra mais das cores que tinha cada pequeno botão, é sinal que algo novo ocupou o lugar dele na memória... aí o que passou passa a ser só velho e o futuro passa a ser o presente.

Kyamel disse...

Fala sério Phill!!!!
Eu sabia que você realmente gostava do seu celular, mas daí a se apaixonar por ele???
Vc anda precisando de uma namorada!!!
srsrss............
Abraços velho friend...