sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

2010 - O ano em que aprendi...

Fim de ano é aquela época estranha, na qual um cínico sabe que nada muda, e ainda assim, todos pensam no que pode ser diferente, e mesmo sabendo que não vai ser, a não ser que haja um esforço próprio mastodôntico, ou um milagre.


Uma época tão boa quanto qualquer outra para se parar, pensar e ver o que está acontecendo de errado. Ainda assim, as comemorações sobre o fato, junto com a data em si, tornam esse período o ideal para um pequeno balancete da vida.


No geral, eu não gostei de 2010. Foi um ano tenso para mim, ano de acabarem coisas que eu não queria que chegassem ao fim, ano de prorrogar coisas que eu adoraria que tivessem acabado... Ano de frustrações e redescobertas


Se for reclamar sobre o que me aconteceu esse ano, eu diria que seriam dois ou três assuntos, e dois deles nem tão relevantes para mim. Apenas um que ainda me dá um nó na garganta, e de vez em quando me torna um bêbado chato.


Então, eu acho que a melhor coisa a se fazer é focar não no que aconteceu, mas sim no que eu aprendi. Isso sempre ajuda.


A principal coisa que eu aprendi esse ano, é que a maioria do que me aconteceu, até certo ponto, começou como culpa minha. Minha e de mais ninguém. Pensar demais nas coisas acaba trazendo pontos irrelevantes a uma situação, o que acaba tirando o foco do real problema, e uma vez que isso acontece, pode ter certeza que irá te assombrar depois.


No final das contas, não é uma conclusão para ficar me martirizando, mas sim para me deixar mais atento ao que importa, e focar direito na próxima vez.


Eu experimentei a situação de fazer o que eu achava que era certo, apesar de ser exatamente o que eu não queria. Isso pode te destruir de diversas maneiras, porque o universo não vai te recompensar de maneira nenhuma. Se você não se recompor rapidamente e enxergar que, novamente, aconteceu desse jeito porque você quis fazer assim, não vai adiantar nada. Você só vai se deprimir a toa.


E mesmo magoado, eu sobrevivi. Aprendi a me recompor, ainda que aos poucos. Mas nessa eu contei com a ajuda de muita gente, de maneiras diferentes. E também magoei, da mesma forma que aconteceu comigo. Não sei se em maior ou menor grau, só sei que no fundo foi igualzinho, e por isso principalmente, sei o estrago que causei.


Sei também que vamos ficando calejados devido às coisas que nos acontecem. É complicado você perceber, mas uma vez que você queima a mão, não pega de novo na panela quente por baixo. Ainda assim, não acho que irei deixar de agir como faço normalmente. Talvez esteja deixando alguns comportamentos de lado, só que muito mais por viver em sociedade do que com uma pessoa em especifico.


O mais impressionante foi ouvir da pessoa que eu magoei uma frase que é atribuída ao Shakespeare (e que inspirou esse texto):

Aprendi que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai ferir-me de vez em quando. Mas eu preciso perdoá-la por isto.


O que eu não aprendi ainda foi perdoar. Não completamente. Mas em algum momento acabarei fazendo isso. Rancor também, mata a alma e envenena.


Uma coisa que eu redescobri esse ano, e que me ajudou bastante, foram os amigos. Nunca é bom se afastar deles, por qualquer motivo. Mas é muito gratificante ver que mesmo fazendo isso, eles estão lá, esperando quando você voltar. Sou muito grato quanto a isso, e espero mesmo poder retribuir a amizade à altura, quando o momento chegar.


Também aos novos amigos que eu fiz esse ano, bem vindos a esse clube seleto. São poucos, mas eu tenho um grande carinho por todos.


Aprendi que não dá pra viver só o hoje. Tem de se planejar para o amanhã. E isso não se trata de esperar a situação se estabilizar para começar a se preparar. Preparo pode ser feito aos poucos, desde que seja consistente e constante. Juntar grana, trabalhar, estudar, se socializar, tudo, é um investimento para o futuro. Longo prazo tende a conter menos riscos e um retorno razoável.


Aprendi a não encanar com certas coisas, aprendi a perceber alguns sinais do tipo "não é bom fazer isso, pelo menos não agora". Ultimamente, tenho aprendido a parar. Maneirar. Tomar uma coca entre uma dúzia de cervejas (esse é um bom exemplo).


Ainda assim, aprendi isso também fazendo da maneira errada. Mas, não foi um ano perdido. Ainda assim, a ultima coisa que eu aprendi é que o preço do aprendizado verdadeiro é beeem alto. As vezes, parece caro demais. Mas ainda assim, acabamos pagando, de um jeito ou de outro.


Só espero levar as coisas que eu aprendi para o próximo ano. E utilizá-las para não ter a sensação de um ano perdido, como esse me pareceu. Ainda assim, sei que vão acontecer cagadas ano que vem. Só espero que sejam novas, pois pretendo acertar agora que aprendi esses truques.


Mesmo assim, ainda bem que está acabando esse 2010 dos infernos.

Feliz ano novo a todos!

E para 2010, adeus, até nunca mais! E FUCK YOU VERY MUCH!

Um comentário:

Adriana disse...

hsauhsuahsahuas

Revoltado! Tadinho de 2010! Tem que mandar ele se foder?! hahaha

Enfim, fico feliz pelos seus aprendizados e... Ahh, não tenho na verdade muita coisa pra comentar. Só queria falar que vc é revoltado mesmo!!! xDDD

Mas, já que tô aqui, boa sorte em 2011!
E obrigada por, por diversas vezes em 2010 (e acabar de ter começado em 2011) ser meu psicólogo! Claro que tem uma mandinga não admitida no meio, mas isso se supera! hahaha